carpe diem, poesia

O pão do meu verso

Meu verso é como pão do egito:

a noite passa sobre ele e já não podes mais come-lo

Devora-o enquanto esta fresco,

antes que o recubra a poeira do deserto.

Seu lugar é o clima cálido do coração,

ele não sobrevive ao gelo deste mundo

Jalal ud-Din Rumi

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

w

Connecting to %s