Cesarea, o não parto.

Como já contei no post anterior, dona feijolita não tinha virado, estava sentada,os médicos falam “pelvico”, daí a indicação de cesarea. Segundo minha médica, se este fosse meu segundo parto poderiamos tentar. Eu estava super chateada, achava que por algum motivo a culpa era minha. Descobri mais tarde que existem exercícios, massagens que podem ser feito quando o nene esta pélvico que podem reverter esta situação, deixando o nene encaixado (com o cabeça para baixo), lembrando que é uma tentativa, nem sempre dá certo, mas as chances de sucesso sao bem maiores que de fracasso, então vale a pena tentar. Mais tarde reunirei blogs,sites e textos sobre isto, num próximo post.

Por que eu queria parto normal? simples, porque é muito melhor para a criança e para a mulher, nossa recuperação é mais rápida, podemos voltar as atividades normais em 1 semana, e os nenes nos tomam todo o tempo no começo, não rola descansar um pouco, e com uma cesarea temos dores, temos algumas limitações de movimento, amamentar com dor é o horror!!! Quando escuto alguma mulher falando que prefere cesarea, fico entristecida pela sua falta de informação, pela sua ignorancia  muitas vezes causada por mécidos cesaristas que só querem dinheiro e não estão nem aí com a saúde, ou por uma midia nefasta que cria mulheres objetos (peitos e vaginas são para servir aos homens, para dar de mama temos mamadeira, para parir cesarea, como li em um blog recentemente). Hj em dia os médicos aterrorizam as mulheres sobre os “perigos do parto normal”.  Muito cuidado!!!  a cesarea tem sim sua indicação, salva vidas, mas o parto normal é muito mais benefico em varios aspectos. E cesarea é uma cirurgia com risco de vida!!! quem disse que nenhuma mulher morreu durante cesarea esta mentindo.Pode acontecer sim, e com mais frequencia do que se fala por ai. Os trabalham cientificos sao unanimes na cesarea há mais risco de vida para mãe e bebe, ha trabalhos que falaem de 2,7 mais vezes obritos numa cesarea do que num parto normal, e outros que chegam ao nemero de 4x mais mortes em cesareas!!! Isto é muito sério, há o risco de infecção hospitalar, a criança terá mais chande de desenvolver problemas repiratŕios. Só no Brasil chegamos ao vergonhoso indice de 90% de cesareas na rede privada, a maioria sem indicação, os médicos enganam as pacientes colocando em risco a vida delas e do bebe. Cesarea virou parto normal no Brasil. Minhas amigas que mroam na Europa acham uma barbarie o que esta acontecendo com nossa saude aqui, médicos irresponsáveis e sem escrupulos. As desculpas são as mais sem vergonhas : bebe muito grande, pouco liquido aminiotico, a mulher nao teve dilatação (na verdade o medico nao quis esperar, toda mulhere esta apta a ter dilatação). Bebe grandes são a moda do momento e sofrimento fetal também, não ha artigos cientificos que suportem a teoria do bebe grande, bebes grandes pela literatura cientifica tem mais de 5 kg, e muitas mulheres conseguem parir de parto normal estes bebes com 5 kg, por que aqui no Brasil se faz cesarea?? Na Europa as mulheres esperam até 42 semanas, aqui nao podem passar da 38°, com o agravante que isto não é suportado por nenhum literatura cientifica, mulheres saudaveis sem complicações durante a gravidez, o nene esta bem e vão pra faca com 38 semanas pq o nene “já esta passando da hora”. É um crime  o que tem feito a nós mulheres neste pais. Quantas mulheres estão neste momento tendo o parto roubado??

Como mulheres precisamos lutar pelo nosso direito a ter um parto humano, com respeito a nós e  ao bebe, um parto que respeite a natureza do nosso corpo. Nosso corpo é sabio, por milhares de anos mulheres tem partos naturais, nosso corpo sabe como faze-lo, nenhuma cirurgia criada ha menos de 2 seculos pode suplantar o que a Natureza levou milhares de anos para aperfeiçoar. Cesarea, só com indicação correta, não como profissionais , ditos da saude, tem feito. Maternidades viraram industrias de cesarea. Não nos deixemos dominar por esta industria nefasta criada pelos convenios de “saúde”.

“Para mudar o mundo é preciso mudar a forma de nascer” (Michel Odent)

Para parir o corpo da mulher precisa se abrir, dar passagem, e esta abertura acontece num plano mais sutil também, ha que se abrir nossas mentes, nosso espirito para possibilitar a transição do “ser um, para sermos dois”. Isto requer um tempo, a natureza é sabia, há que se romper a bolsa, há tempo para as contrações que começam de leve , espaçadas, até que se tornam mais curtas, mais doloridas. Sim , por que toda separação gera dor, há mil motivos para sentirmos dor durante o parto, nosso cerebro se encharca de endorfinas,estas endorfinas irão para o leite, o primeiro leite que é dado ao bebe assim que nasce, este leite rico em endorfinas acalma o bebe. Hoje temos mulheres infantilizadas que não podem sentir dor, querem um mundo de barbie  dor-de-rosa onde o nene chega por cesarea para não estragar o corpo-objeto.

Para o bebe o nascimento é a primeira experiencia de morte, ele esta num local protegido, quieto, calmo, sem luz, sendo alimentado, ai começam as contraçoes, ele se sente apertado, ele começa a ser expulso do unico mundo que conhecia, isto gera uma produção enorme de adrenalina, gera stress. Entao ele passa a ser mais apertado ainda, até que de repente é expulso totalmente do seu mundo, num local com luzes, não mais tão quentinho como conhecia, seu canal de alimentação fisica é cortado.Em partos humanizados tenta-se minimizar este trauma, com poucas luzes para não ferir os olhos do bebe, espera-se para cortar o cordão umbilical, o nene é colocado no colo da mãe e ela dá de mamar, para que as endorfinas acalmem sua cria, a adrenalina do sangue do bebe diminui, ele se adapta ao novo mundo quase sem traumas, isto é um parto amoroso, isto cria conexões neuronais positivas no bebe.

O que aconteceu comigo:

Imaginem isto a luz dos partos industrializados de  hoje em dia, o nene é retirado do seu mundo, do interior de sua mãe, exposto a luz fortes da sala cirurgica, pesado, medido com uma regua de metal gelada, cortam seu cordao umbilical sem nem esperar que ele pare de pulsar sozinho,seus orificios nasais sao invadidos para aspiração, ele é manuseado por mãos estranhas, tudo rápido, limpo, frio….o que há de humano nisto??? viramos ratos de laboratório? Pois é foi assim que me senti…com a adição de alguns requintes de crueldade da pediatra do Albert Einstein.

Cesarea marcada para dia 17/11/2011 no final do dia. Arrumei minha mala no dia anterior, tristissima. No dia fiquei anestesiada, a tristeza era tanta que não conseguia pensar em nada, odeio cirurgias, elas podem dar mil complicações, não sei como imbecis ficam repetindo que cesarea é mais segura para mãe e bebe!!! é uma cirurgia, tudo pode dar errado numa cirrurgia, pessoas morrem em cirurgias todos os dias!! Estava nervosíssima, medo de morrer e não poder criar minha filha, tudo passou em minha cabeça. Então fomos ao hospital, arrumei as malas no quarto, esperamos um tempo que me pareceu uma eternidade, e fui levada a sala cirurgica, o lugar parecia a 0 graus Kelvin, não sei se era porque eu estava nervosa, mas estava super frio. Entao vc fica nua, com um misero avental, pelo menos eu conhecia a medica que faria minha cesarea(tem mulheres que nem isto, tem que fiacr nuas na frente de um monte de gente que nem conhece). Os retardados mentais do hospital não colocaram meu marido na sala, minha médica teve que perguntar varias vezes : cade o pai? não vai entrar? até que uma das enfermeiras o chamou, nisto eu ja tinha tomado a anestesia e minha médica já havia começado a fazer a incisão…achei de uma insensibilidade daquelas enfermeiras não deixarem meu marido entrar antes de eu tomar a anestesia. Isto foi o começo do pesadelo.

Para quem não sabe durante a cesarea voce fica amarrada a uma mesa cirurgica, é uma sensação de submissão terrivel, há medicos que falam que não há necessidade (cesarea humanizada), eu ainda tenho minhas dúvidas, porque é uma cirurgia , se a mãe resolve surtar, se mexe  de maneira abrupta, um corte errado pode ser fatal, então neste caso, acho que não há muito o que fazer, a não ser optar por um parto normal, onde nada disso é necessário.

Então, la estava eu, nua, amarrada a uma mesa cirurgica, passando muito mal com a anestesia(minha pressão oscilou demais, não são todas as grávidas que tem esta oscilaçao de pressão), tremendo sem parar (efeito colateral da queda de pressão), quando a médica fala, pronto nasceu!!! meu marido começa a chorar, eu sem ver nada por conta do campo cirurgico….Eis que a pediatra belzebu maldita começa a falar feito um teletube com problmeas mentais: “pai a foto, pai a foto” e não parava de repetir isto . Nós optamos por não filmar nem tirar fotos, queriamos viver a intensidade do momento sem pensar nisto. Como meu marido respondeu que não tiraria fotos, ela levou minha nene. Eu tinha pelo menos a ideia consoladora que depois de nascer minha filha seria colocado no meu colo, para ser aconchegada, sentir meu cheiro. Levaram minha filha, eu não a vi nascer,não pude segurá-la em meus braços, só escutava seu choro, e eu presa, amarrada na mesa cirurgica para os pontos. Foi o dia mais triste da minha vida, eu queria minha nene no meu colo, sabia que o nascimento por cesarea é mais traumatico para um nene, e eles me privaram do unico alento que eu daria a ela neste momento. Numa cesarea não há contrações , o bebe é retirado do seu mundo de maneira abrupta, sem aviso(contrações), sem o preparo necessário que a natureza nos oferece, isto por si só, já é uma violencia, nem me deixaram ao menos minimizar este momento tão cruel. Me devolveram minha nene mais de 30 minutos depois, já limpa, pesada, medida, etc…minha alma e a dela em mil pedaços. O dia que era para ser tão especial, virou um dia terrivel. Quando cheguei no quarto com minha nene, parecia que estava vivendo numa realidade parelela, parecia que não tinha parido. O que era aquilo que aconteceu comigo??? O maior amor da minha vida, eu esperei tanto por ela, esperei tanto para te-la nos meus braços assim que ela nascesse, poder dizer que estava tudo bem, que eu estava ali com ela, no dia que eu ia encontrar o maior amor da minha vida, me tiraram isto. Nao importa quantos filhos eu tenha de parto normal, nunca vai fechar esta ferida. Eu senti arrancarem pedaços do meu coração ouvindo minha pequena Sophia gritando e eu amarrada naquela maca, enquanto medicos que nem a conheciam enfiavam montes de tubos pelo narizinho dela, pingavam  um colirio que arde os olhos (e não é mais usado nos USA nem na Europa, só aqui), furando seu pezinho, e eu longe, como doeu…como dói lembrar.

É uma sensação de vazio que dilacera nossa alma, isto é uma cesarea, o não -parto. Parece que algo horrivel nos aconteceu, mas ninguem vê, porque o bebe esta saudavel….bem fisicamente não esta tão saudavel assim, ele foi privado de muitos neurotransmissores que tornariam este momento mais positivo, a mãe tb, o que há de saudavel nisso? o pulso ainda pulsa, isto é o suficiente? e o lado emocional? somos corpos sem alma desde quando?somos robos? E quem foi o debil mental que disse que cesarea não dói?? que faça uma por semana então!!! Minha médica fez todos os procedimentos de maneira correta, não tive infecção, a cicatrizaçao foi otima, e mesmo assim fui ao inferno de dor nos primeiros dias, até hoje quase 5 meses depois, dependendo do movimento que faço dói, quando é que um parto normal vai doer assim? mil vezes algumas horas horas de dor do que meses, é matemático!!  façam as contas: oq ue vc prefere: 1 dia com  dor ou meses com dor? entaõ o argumento de que cesarea não dói só é valido para os analfabetos de matemática basica ok?

Tudo o que havia de belo e sagrado no parir, no fazer nascer me foi roubado selvagemente numa cesarea e na separação da minha bebe de mim logo após seu nascimento.

o day after

Com dores para me mexer para qualquer lado, passei uma noite de cão, no dia seguinte uma enfermeira que nunca devia ter feito enfermagem, veio me ajudar no banho, acabei fazendo tudo sozinha , morrendo de dor, pq a má vontade dela era tão grande que não me ajudou nem a sentar para me lavar. Então começou a via crucis da amamentação. No hospital das estrelas, acho que só as estrelas recebem orientação de bons profissionais, eu que nunca tinha amamentado fiquei a mercê da propria sorte no Albert Einstein, ninguem me orientou, minha filha chorava de fome, eu morrendo de dor mal conseguia me ajeitar para dar de mamar com o agravante de que mulheres que fazem cesarea não tem tanto estimulo para produção de leite.Entao dá-lhe ocotocina sintetica pra minha produção de leite aumentar, mais os antibioticos(necessarios apos uma cirurgia), mais os analgesicos…meu leite era pouco e um mix de um monte de porcaria…que desespero..

No segundo dia ja tinha o bico do seio rachado, até que uma enfermeira super legal me deu um bico de silicone para “ajudar”. NUNCA USEM AQUELA MERDA, BICO DE SILICONE É USADO PARA DESMAME. Conclusão minha nene ficou com a língua mal-posicionada (para posterior) e não queria mais o peito com 3 dias de vida.  Eu queria morrer, ninguém me ajudava, ninguém veio me orientar, eu não sabia o que fazer. para completar minha nene pegou um resfriado na maternidade super chic do Einstein.

No terceiro dia, saimos de la, com a alma despedaçada, com meu corpo dolorido, minha nene doente, com fome, nunca no meu pior pesadelo eu poderia imaginar que as coisas sairam tão mal.

a primeira semana

Em uma semana minha nene havia perdido 800 gr, a pediatra entrou com o  complemento. Procurei o auxilio de uma especialista em aleitamento, graças a ela minha nene voltou ao peito. Não sei se por estresse, nunca tive muito leite, tive que continuar com o complemento. Ainda luto para voltar a amamentação natural exclusiva.

Tive depressão pós parto, no primeiro mês eu chorava dia e noite, sentia que não tinha parido, um vazio tão dolorido, ainda nao dormia direito , minha nene chorava demais, via no choro dela o reflexo de tudo que passamos. Foi tão séria minha depressão que mal conseguia segurar minha nene, estava anestesiada, sem saber o que fazer, senti que não tinha tido minha filha. O que senti pode ser resumido numa frase de Oscar Wilde, no livro De Profundis: “Existem feridas que não cicatrizam nunca, e sangram só de voce olhar para elas” A cesarea é a ferida que carrego, espero um dia superar isto, mas ainda não superei. Ainda choro quando lembro de tudo, chorei ao escrever este post…dói demais. Mas precisava desabafar, preciso gritar para todas as mulheres: NÃO FAÇAM CESAREA, NÃO SE DEIXEM ENGANAR, SOMENTE EM POUCOS CASOS CESAREAS SÃO NECESSÁRIAS!!!

Isto é a cesarea, o não-parto, que traz consigo a dor física, emocional e espiritual . Não se enganem achando que é o caminho mais fácil, porque não é, eu já sabia disso e não o queria. Hj participando de varios foruns de discusões vejo que a cesarea é a regra e parto normal virou algo feito em outra dimensão que não a nossa. Vejo mães violentadas em seus desejos de term um parto normal com respeito. Vejo feridas que não vão cicatrizar tão cedo, talvez nunca cicatrizem.

“O corpo fala. O corpo tem memória: aquilo que a mãe e o bebe atravressam juntos vai deixar marcas em ambos. Os partos descuidados e as promessas não cumpridas deixam marcas. Quase não há médicos que aceitam fazer partos sem indução e sem realizar perineotonias de rotina. O sistema economico exige que os partos sejam apressados. No entanto, cada parto é único e merece ter seu prórpio tempo. (…)Falar de partos em nossa sociedade é falar de maus-tratos à mulher, de desumanização e de falta de respeito.” (Laura Gutman, A Maternidade e o encontro com a própria sombra).

Isto é o resumo da minha história, não é bonita, é triste e infelizmente foi real. Não queria que fosse assim, mas foi. Ainda tento juntar os pedacinhos que ficaram por ai, tento entender o que a vida quis me mostrar com isto. Acreditei que  todos os profissionais da saude eram humanos, assim como sou com meus pacientes, mas me enganei terrivelmente, a pediatra que levou minha filha sem nem me mostrar foi  forjada no inferno.Voltei ao trabalho voluntario com gestantes para auxiliar mulheres a não passarem pelo que passei. Talvez assim pacifique minha alma. Gostaria que os profissionais que me assistiram tivessem me orientado melhor, principalmente em relação ao aleitamento materno no hospital. Deveria ter corrido atras de outras opiniões, mas enfiada no trabalho do jeito que estava…foi um erro tremendo.O fato é que tenho que seguir em frente, com minhas feridas do jeito que estão, pois minha filha precisa de mim e a vida continua. Não posso mudar o que passou, mas posso fazer melhor com o que tenho pela frente, e isto é o que importa.

Mulheres informem-se não deixem um cesarista roubar o parto de voces…o parto é NOSSO!!! Mudem de medico se for o caso, na ultima semana se for preciso, procurem uma equipe humanizada, um filho é sangue do nosso sangue, um pedaço da nossa alma, da nossa carne, nosso amor maior, um presente de Deus,não deixem que estes serem tão frageis sejam violentados por médicos sem escrupulos!!!

 

Um comentário sobre “Cesarea, o não parto.

  1. “Não posso mudar o que passou, mas posso fazer melhor com o que tenho pela frente, e isto é o que importa.”

    É, foi um dia bem ruim, mas a memória dele para a Feijolita e para você irá se esvaindo, graças ao tempo que tudo ameniza. Haverão muitos dias bons pela frente (entremeados com alguns outros ruins, sorry) e o quanto você será amiga e companheira de sua filha – em oposição à chefa e educadora-á-moda-antiga – vai somar bem mais do que esses dias ruins diminuirão.

    Cuidado com a carga de trabalho, é meu conselho para os anos que virão. O “Tem que se dedicar à sua carreira para ser competitiva.” é parente do “O sistema econômico exige que os partos sejam apressados.”

    Beijos no seu coração!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s