Ausência

Ela permanecia ali,

Pés enterrados na areia

As ondas vinham e iam.

Os pés cada vez mais fundos na areia,

Pequenos carangueijos tímidos.

Então, no horizonte se anunciou a chuva

Iansã trouxe os ventos lunares

Pra fazer bailar os cachos dela.

Ela permanecia ali, enraizada.

Esperando que o desabar da chuva

Levasse toda aquela melancolia,

Que carregasse para longe a ausencia dele.

Ela adorava o mar…

O mar era seu leito uterino

Era no mar que ela esparramava seus segredos

E lá eles ficavam guardados em conchas mudas.

A chuva passou.

Chuva e mar levaram parte da melancolia,

Mas a ausencia dele seguia ali

Cortando a carne …

Permanecia nela, enraizada.

pes

 

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s