poesia, Uncategorized

Mon Soleil

Perdi as contas de quantas vezes te perdi

Te perdi sem nunca  te ter

Tua ausencia é qualquer coisa

Como um céu abarrotado de nuvens negras

Que vez por outra escapam raios de sol

E pousam sobre meus olhos

Tua ausencia, meus dias turvos

Tu, meu sol invernal

Vamos passar a tarde no parque

Roçar os pés na grama fresca

Olhar o céu deitados na terra

Quero conversar com teu silêncio

Me conte sobre aquele poeta que nunca ouvi falar

Preciso te respirar

Me alimentar de teu sal marinho.

Temos o mesmo sangue

E quando me sonhas

Eu desperto durante a noite.

 

 

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

w

Connecting to %s