Uncategorized

Entering The Garden

É muito facil me perder quando mil coisas caem no meu dia-a-dia. Não sei lidar com dias atarefados onde não há espaço para contemplação. A maternidade me tomou um tempo precioso, o tempo que eu tinha para meditar, para não pensar e descansar a mente, foi usado para cuidar de Sophia. Não é exatamento ruim, isto faz parte da maternidade, é só uma fase, as crianças crescem, a demanda será outra. Mas é uma loucura até que passe. E, eu não sou exatamente a melhor pessoa para organizar um tempo cheio de tarefas e uma vida cheia de sonhos.

Porém, esta exaustão que vem se acumulando me pede para cuidar do meu jardim. Não há mais espaços para “small talk”, para pessoas monopolizadoras do meu tempo e atenção mas que pouco acrescentam. Urge ficar mais comigo , limpar minha casa interior, revolver a terra de meu jardim, retirar as ervas daninhas. É a hora de pacificar a mente e me desfazer do que não tem mais utilidade. Me desfazer de toda bagagem para poder viajar para uma nova casa.

Passeio por entre móveis que logo mais não serão meus, escolho roupas para doar, roupas que não fazem mais sentido vestir, abro caixas de coisas eaquecidas, me alegro com suas memórias e as deixo ir. Logo mais deixarei para tras muitos amigos, muitas paisagens e lugares queridos. Não sei o que me espera, mas vou em paz.

Hoje acordei as 3 da manhã. Durante muito tempo me incomodei com este acordar no meio da noite, uns me diziam ser mau agouro. Descobri há pouco tempo que é neste horário que monges budistas acordam e fazem suas orações/meditações. Hoje acordei as 3:00 A.M e não fiquei mais irritada, nem chateada, pensei um pouco nas coisas que tinha para fazer e pela primeira vez em muito tempo, retirei de cima da lista de tarefas a angustia e preocupação. As tarefas ainda precisam ser feitas, e serão.

Levantei, bebi água sentindo seu gosto, sentindo sua textura, li emails atrasados, achei artigos que precisava ler, cobri com o lençol minha pequena Sophia, fiz alongamento e meditei ao som de mantras tibetanos por quase uma hora. Vi o céu azul marinho alaranjar. A Paz aos poucos vai preenchendo minha mente.

É bom entrar no meu jardim novamente. Eu quase tinha esquecido como ele é repleto de Beleza , Paz e Liberdade.

“Come to the garden in spring.

There is light and wine
And sweethearts
In the pomegranate blossoms.

If you do not come,
These do not matter.

If you do come,
These do not matter.”

– Mevlana Rumi

Brasil, poesia, Uncategorized

Saravá Iemanjá

 

Salve Rainha do Mar, Salve minha mãe

É no teu reino que eu encontro meu lugar

É no teu colo marinho que eu quero me deitar

Com teu canto belo para me ninar

Me vestir com a espuma  perolada das ondas

Construir uma casa de conchas lá no fundo do mar

Eu vim de ti e a ti voltarei quando partir

Aceite minhas flores brancas, meu colar de contas azuis

Este ano eu não te farei pedidos

Só desejo entrar no teu mar

Sentir as ondas, teus braços que embalam

Ouvir teu coração, o quebrar das ondas.

Eu voltei só para te ver minha mãe.

Saravá Iemanjá.

iemanja

 

poesia, Uncategorized

Mon Soleil

Perdi as contas de quantas vezes te perdi

Te perdi sem nunca  te ter

Tua ausencia é qualquer coisa

Como um céu abarrotado de nuvens negras

Que vez por outra escapam raios de sol

E pousam sobre meus olhos

Tua ausencia, meus dias turvos

Tu, meu sol invernal

Vamos passar a tarde no parque

Roçar os pés na grama fresca

Olhar o céu deitados na terra

Quero conversar com teu silêncio

Me conte sobre aquele poeta que nunca ouvi falar

Preciso te respirar

Me alimentar de teu sal marinho.

Temos o mesmo sangue

E quando me sonhas

Eu desperto durante a noite.

 

 

poesia, Uncategorized

A não poesia

A realidade esmaga a poesia diária

Passamos os dias tão atarefados

Que nem a dor no peito é percebida.

Respirar, ver, comer, mecanicamente.

É preciso terminar a lista de tarefas

Para morrer em paz.

A realidade urge retirar a poesia,

Este hóspede delicado e incoveniente,

Na paisagem aspera, cinzenta e asfixiante.

E , assassinada milhões de vezes

A poesia ainda canta ao longe, baixinho

Nos esperando em uma música.

25620214323_c4fb05be14_o
Pelos muros de Palermo, Buenos Aires