devaneios, sobre a vida

About Love, About God

Quando amamos uma pessoa, aos poucos a imagem, a forma física desta pessoa desaparece e você fica mais em contato com a essência dela. E se você mergulhar mais fundo, a essência da pessoa amada pulveriza-se no ar e abre-se o Além.

Seu bem amado é apenas uma porta, e através dele você encontrará o Divino.

Sempre nos parece difícil estar em contato permanente com o Divino, com o Criador, ele não tem começo nem fim, nossas faculdades são limitadas no que cerne a imaginar sua grandiosidade. Mas o caminho para chegar até Ele é sempre através de uma pessoa.

Ame, portanto.

E que o Amor não seja uma competição, mas uma profunda aceitação do outro, sem julgamentos. Convide-o então, ao Amor, para que penetre e mergulhe em você também, sem qualquer condição.

É somente quando amamos desta maneira, nesta intensidade, que o Divino inunda os poros de nossas almas, e por alguns instantes, somos capazes de vislumbrar a face do Criador.

E como já dizia um poeta, Amar se aprende amando, então não nos demoremos mais com palavras, que nossos corações sejam cálices sempre a transbordar Amor.

Advertisements
carpe diem, devaneios, poesia

About dreams

Whenever I try to remember my dreams, I always turn ‘em into stories. But dreams are like life. You can’t catch it with your hands because you can’t catch something you don’t really see. If you believe in your dreams, you could be sure that any force, a tornado, a volcano or a typhoon, wouldn’t be able to knock you out of love; because love exists on its own”

Axel Blackmar (Arizona Dream)

 

                                          
 

 

 

carpe diem, devaneios

Sub nube

Nuvens:  É um conjunto visível de partículas minúsculas de água líquida ou de gelo, ou de ambas ao mesmo tempo, em suspensão na atmosfera.  Este conjunto pode conter partículas de água líquida ou de gelo em maiores dimensões, e partículas procedentes, por exemplo de vapores industriais, de fumaça ou de poeira.

Nuvems. f. Conjunto de partículas de água muito finas, mantidas em suspensão pelos movimentos verticais do ar.

Nuvem: do latim , nubes. (sub nube: nas nuvens)

 

 

O Estrangeiro

– De quem gostas mais?, diz lá, estrangeiro.

De teu pai, de tua mãe, de tua irmã ou do teu irmão?

– Não tenho pai, nem mãe, nem irmãos.

– Dos teus amigos?

– Eis uma palavra cujo sentido sempre ignorei.

– Da tua pátria?

– Não sei onde está situada.

– Da beleza?

– Amá-la-ia de boa vontade se a encontrasse.

– Do oiro?

– Odeio-o tanto quanto vós a Deus.

– Então que amas tu singular estrangeiro?

– Amo as nuvens… as nuvens que passam… as maravilhosas nuvens!

(Baudelaire)

 

arte, carpe diem, devaneios, poesia

Terapia musical

Souad Massi – Storyteller

Oh storyteller tell us a story

Make it a tale

Tell me about the people of old

Tell me about 1001 Nights

And about Lunja daughter of the Ghoul

And about the son of the Sultan

I’m about to tell a story (I’m just told that this phrase is what is said before you tell a story, I have no idea what it could mean)

Take us far from this world

I’m about to tell a story

Everyone of us has a story in his heart

Narrate and forget we’re adults

In your mind we’re young

Tell us about heaven and hell

About the bird that never flew in his life

Make us understand the meaning of the world

Oh storyteller tell it just as they told you

Don’t add anything, don’t leave anything out

We could see into your mind

Narrate to make us forget this time

Leave us in the world of once upon a time

سعاد ماسي – راوي

يا راوي حكي حكاية

مادابك تكون رواية

حكي لي على ناس الزمان

حكي لي على ألف ليلة وليلة

وعلى لنجة بنت الغولة

وعلى ولد السلطان

حانجيتك مانجيتك

دنا بعيد من هادي دنيا

حاجيتك ماجيتك

كل واحد منا في قلبه حكاية

حكي وانسى بلي احنا كبار

في بالك رانا صغار

حكي لنا على الجنة حكي لنا على النار

على طير عمره ما طار

فهمنا معانى الدنيا

يا راوي حكي كما حكوا لك

ما تزيد ما نقص من عندك

كاين نشفوا على بالك

حكي لنسينا في هاد زمان

خلينا في كان يا ما كان

 

 

carpe diem, devaneios

Navegar é preciso e urgente!!

Sempre fui , na ausencia de um termo melhor, louca de paixão pelo mar . O mar foi um dos meus primeiros amores, e foi amor a primeira vista, tinha apenas 2 anos quando vi o vi pela primeira vez. E me apaixonei, como pouco vezes em minha vida senti algo tão certo, tão claro, tão puro, uma sensação de “voltar ao  lar”. É assim que os verdadeiros amores são. É ouvindo as ondas do mar quebrando,  que encontro a paz, sentindo seu cheiro, sentindo as espumas das ondas acariciando meus pés a beira mar, gosto de nadar no mar, me deixar levar pelas ondas. Mas a vida me trouxe para longe do mar. Estou passando uns dias em casa, por conta de uma amigdalite, e tempos assim na cama, são bons para colcoar as idéias em ordem. E estou reavaliando muitos objetivos, principalmente como não desistir dos meus planos de viajar num barco pelo mundo, talvez não sobre dinheiro algum, talvez até falte, ou não, quem saberá? Preciso me focar em aprender melhor pelo menos 2 idiomas primeiro e juntar um dinheirinho. Mas é fato, não quero uma vida convencional, quero chegar no dia da partida com historias para contar 🙂

“Um homem precisa viajar. Por sua conta, não por meio de histórias, imagens, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu. Para um dia plantar as suas próprias árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para desfrutar o calor. E o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o próprio teto. Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e não simplesmente como é ou pode ser. Que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos, e simplesmente ir ver”

Amyr Klink