cinema, Gastronomia, Receitas

Purê Lemonade

Purê de batata é uma de minhas comidas favoritas, eu como até sem acompanhamentos. Comia de lanche da tarde quando era pequena. Mas o que é bom sempre pode ficar melhor né? Ano passado eu aprendi esta receita deliciosa, em alguns dias colocarei a foto. Acompanha muito bem carnes, peixes e frango dependendo do tipo de molho que usaremos , a harmonia dos sabores é o que vai pesar. Além disso, para dias de calor, é muito refrescante.

Ingredientes:

700 gr de batatas cozidas (podem ser com ou sem casca)

Raspas de um limão

Suco de  2 limões médios

300 ml de creme de leite fresco (tenha um pouco a mais no caso de precisar para dar o ponto)

sal e noz moscada

Modo de Preparo

  1. Amasse as batatas com uma amassador de batatas  ou se quiser algo mais rústico, deixe-as com a casca e use um fuet para amassa-las (ficaram com pequenos pedaços, não fica tão homogeneo quanto no amassador). Tempere com sal. Reserve.
  2. Num bowl coloque o creme de leite e o suco de limão, em cerce de 30 segundo ele deve coalhar, misture com uma colher, agregue parte das raspas de limão.
  3. coloque este creme de leite no bowl com as batatas e mexa até misturar bem, se voce quiser uma consistencia mais líquida coloque mais creme de leite fresco (eu prefiro mais durinho, do tipo : não cai da colher)
  4. Rale noz moscada por sobre o pure, misture mais uma vez. Acerte o sal e se necessário a noz moscada. Enfeite com o restante das raspas de limão.

Dica: o tipo de limão pode deixar mais ou menos acido, limão siciliano é mais suave, vale testar com todos e decidir qual se adequa mais ao seu paladar.

Como vou ficar devendo a foto, deixo com voces o link de uma musiquita deliciosa, tema do filme Lemon Tree. O filme, que vale muito a pena de ser visto, trata da história de Salma, uma palestina viúva. Ela vive do pomar de limões que possui na Cisjordânia, criado pelo pai dela 50 anos antes. Salma entra em conflito com o ministro da defesa de Israel, quando este se muda para o lado de sua propriedade. Salma, uma personagem que mistura a doçura, melancolia, fortaleza e delicadeza, ela é o próprio limoeiro em flor.

 

 

Interessado(a) em saber mais sobre a origem da batata, clique aqui

Anúncios
culinária, Gastronomia, Receitas, receitas&memories

Arroz Pilav (receita armênia)

Existem muitas variações do arroz pilav. Se voces procurarem na internet vão encontrar varias maneiras de prepara-lo  a moda indiana,paquistanesa, e outros países do Oriente Médio, também na culinária francesa há uma receita de arroz pilav, porém elas variam imensamente de uma para outra. A receita que eu estou compartilhando é o arroz pilav feito segundo a culinária armênia. depois vou corrigir as medidas e colocar o que falta em gramas e ml, mas basicamente a proporção é o de 2:1 de caldo de carne para o arroz.

Ingredientes:

150 gr de manteiga (tudo isto de manteiga?? sim tudo isto, manteiga é vida!!)

2 ninhos do macarrão capelli d’angelo (aquele bem fininho)

2 xícaras de arroz branco agulhinha

4 xícaras de caldo de carne (caseiro, se for tablete de caldo de carne, dilua 2 a 3 tabletes em uma xícara de agua quente e complete com mais 3 de agua)

QB sal (no caso de usar tabletes de caldo de carne , dispense o sal)

2 colheres de sopa de pimenta síria

Modo de Preparo:

1. Numa panela, em fogo alto, derreta a manteiga, assim que ela começar a soltar um pergume de amendoas, coloque o macarrão, quebrando os ninhos  de com as mãos , de modo que fique picado grosseiramente. Mexa até que o macarrão adquira uma cor caramelo escuro

2. Coloque o arroz e mexa para misturar com o macarrão, e fritar levemente.

3. Coloque o caldo de carne quente. Eu prefiro ter caldo de carne preparado em casa do que os tabletes de caldo de carne. Particularmente acho bem mais saborosos e saudáveis. Tenho sempre no congelador varios potes de 500 ml de caldo de carne e forminhas de gelo com caldo (para preparações menores).

5. Acrescente sal a gosto (o caldo de carne feito em casa não leva sal, já os tabletes tem muito sal, neste caso dispense o sal). Acrescente a pimenta síria . Na receitra coloquei 2 colheres de sopa, mas se preferir menos pode colocar, eu gosto demais do sabor desta pimenta.

6. Deixe cozinhando em fogo alto  com a panela destampada. Leva uns 15 minutos.

O arroz pilav acompanha muito bem kibe de forno ou frito, kefte de cominho, paleta de cordeiro.

arroz pilav

 

armenian cousine, culinária

Lehmeferen

Esta receita me foi ensinada na Argentina, num curso de comida armênia, mas ela vem de muito mais longe. Segundo a senhora que ensinou, este prato é típico entre os armênios que se refugiaram na Síria após o genocidio armênio. Alguns deles foram para a Argentina depois de alguns anos , fugindo novamente de guerras. Inicialmente o prato era feito com carne de cordeiro na Síria, mas na Argentina se substituiu por carne de vaca. Um prato simples,absolutamente delicioso,  que percorreu muitas terras e nos foi trazido por refugiados. Não estou certa quanto ao nome correto em arabe, o curso era em espanhol e o nome que consta na apostila é este. Se alguém souber mais sobre o prato eu agradeço.

É um prato simples e absolutamente delicioso.

Ingredientes:

4 beringelas

2 cebolas grandes

2 pimentoes vermelhos

3 abobrinhas

3 tomates

700 gr de carne picada (se for moida faz-se pequenas bolinhas depois de temperar)

sal, pimenta do reino, pimenta síria, cravo em pó, gengibre em pó.

suco de limão

azeite

2 xicaras de agua (pode substiruir por 2 xic de caldo de carne feito em casa)

Modo de preparo

Cortar todas as verduras em cubos de 1 cm, misturar numa travessa , temperar com sal, pimenta do reino, pimenta siria, gengibre em pó, pimenta síria.

Numa vasilha temperar a carne a parte com os mesmos temperos, se optar por carne moida, tempere primeiro e depois faça bolinhas do tamanho de uma noz.

Distribua a carne por entre as verduras, regue com azeite e a agua (ou caldo de carne feito em casa).

lehmeferen1.jpg

Leve ao forno em fogo alto em com 10 minutos baixar para fogo médio até dourar os legumes(eles devem ficar macios mas não se desfazer) e cozinhar a carne. Dica: coloque o tomate depois quando o fogo já estiver médio (ele desidrata mais rapido).  De vez em quando abra o forno e misture os legumes e a carne, e se for o caso regue com um pouco mais de água. A carne irá cozinhar no suco dos legumes. Um pouco antes de terminar o cozimento regue com suco de 1 limão.

Acompanha muito bem um arroz com amendoas !!

Coloquei duas fotos uma foi feita com a carne moida em bolinhas a outra (ele já pronto) com carne picada. As duas opções ficam boas desde que esteja bem temperado.

lehmeferen

 

culinária, Gastronomia

Frango na cerveja, com batatas e algumas histórias

Esta é uma receita que faço sempre, mas eu creio que nunca a escrevi. Me lembro de te-la encontrado em uma revista que pertencia a minha mãe, uma coleção antiga, inclusive algo que guardo como relíquia, uma vez que tem decorações de mesa dos anos 60-70. Sempre que vejo dou risada pois me lembro que minha mãe, muitas vezes, fazia a decorção igual. Com o tempo fui agregando outros temperos e, claro, as batatas. A receita serve bem umas 5 pessoas, 6 pessoas se colocarem outras guarnições como arroz branco e salada.

Sobre as batatas, voces sabiam que os primeiros vestígios de batata datam de 8000 anos de antiguidade e foram encontrados durante escavações cerca do povoado de Chilca, ao sul do Perú? Devido a invasão espanhola , a batata foi introduzida na Península Ibérica por volta de 1550 e de lá pelo resto da Europa. Chegando a ser um alimento importante somente em 1750. Todavia, em países como França, Italia e Russia houve uma resistencia enorme em consumir o alimento. Foi o frances Antoine Parmentier, que sobreviveu durante 3 anos em uma prisão durante a guerra e alimentando-se de batata, que sugeriu ao rei Luiz XVI a estimular o cultivo do tubérculo.E aí então, a batata se popularizou , alcançando Africa e Asia. Os Incas consideram a batata um presente dos deuses e há uma série de lendas sobre as batatas entre os povos andinos.

Ingredientes:

1kg de frango (coxas e sobrecoxas)

200 gr de bacon cortado em fatias de 1 cm de largura e 10 cm de comprimento

2 cebolas médias cortadas em tiras, pode-se trocar 2 a 3 cebolas por echalotes

5 dentes de alho cortados em tiras

1/2 taça de vinho

2 colheres de mostarda

sal, pimenta do reino, alecrim, gengibre em pó

500 gr de batatas cortadas em rodelas ou em pedaços de 3 a 4 cm (podem estar com casca, desde que estejam bem lavadas e limpas de terra)

500 ml de cerveja escura

1/2 xicara de uvas passas

2 colheres de açucar

Modo de Preparo:

Disponha os pedaços de frango na assadeira e entre um e outro coloque uma fatia de bacon, acomode as batatas entre  os espaços ou por cima da carne (sem cobrir totalemente), tempere com, mostarda, sal, pimenta do reino,alecrim e gengibre em pó. Deixe marinando por 40 minutos na geladeira. petit secret: se estiver usando pedaços de frango com pele, faça uma mistura com manteiga, pimenta do reino, sal, gengibre em pó e mostarda, separe levemnte a pele, sem decolar totalmente, afaste só o suficiente para delicadamente passar esta pasta de manteiga sob a pele do frango . Neste caso só coloque por cima o alecrim e um pouco de sal sobre as batatas, os demais temperos já estarão no frango.

Misture num pequeno bol, as uvas passas, o açucar e uma parte da cerveja (1 xícara)

Numa frigideira coloque um pouco de manteiga (1 colher de sopa) e frite a cebola e o alho, quando ja estiverem quase dourados, deglaceie com o vinho, até quase ele evaporar. Jogue por sobre o frango.

Coloque a cerveja que restou e a cerveja mesclada comuva passa por cima da carne. Cubra com papel aluminio. Leve ao médio-baixo até cozinhar (isto depende de cada forno, mas o importante é que a cerveja não evapore  totalmente mas ofrango  deve estar macio, em minha casa demora cerca de 1 hora , meu forno não é muito bom).

Segue uma foto da revista antiga da receita. Esta não tinha as batatas, assim que fizer em casa, faço o upload da foto com as batatas.

img_20170126_105025

Brasileiros vivendo na Argentina, culinária, Gastronomia, Receitas, receitas&memories

Ishli Kafta

Durante o tempo que morei em Buenos Aires, fiz um curso bem longo de gastronomia armênia. A Argentina é o país com uma grande população de armênios fora da Armenia. Muitos deles são netos ou bisnetos de armênios que sobreviveram ao genocidio turco, eles trouxeram suas musicas, sua gastronomia, seus costumes para a América.

Para quem tem interesse o curso pode ser feito na íntegra, dura em média 1 ano e 2 meses, depende do ano(com turmas maiores eles acabam colocando receitas a mais e estendendo o curso), ou voce pode entrar em contato e ir em uma ou duas aulas de seu interesse. Para quem gosta de viagens que incluem aprendizado gastronomico fica a dica, o site do curso que eu fiz é Cocina Dibet. A professora é uma senhora simpatississima, muito querida que conta todos os segredos das receitas e um pouco de história da comunidade armênia argentina. Ah, uma das auxiliares faz um café turco memorável.

Das muitas receitas que aprendi o Ishli Kafta é uma das preferidas de minha filha. Na gastronomia arabe há variações desta receita, mas a que vou repassar é a armênia.

INGREDIENTES:

Para camada externa

1/2 kg de trigo fino já lavado

700 gr de carne moida sem gordura, passada no processador com 1 pimentão vermelho (sem sementes, já limpo)

sal e pimenta do reino

Para o recheio

1 kg de carne moida com um pouco de gordura (pode ser patinho)

1 cebola picada a brunoise

100 gr de manteiga

Sal

Pimenta do reino

Aji (pimenta tipica da argentina, mas pode-se usar outra como caiena)

Cominho

Pimentao em pó (comum na Argentina, mas dificil de encontrar aqui no Brasil)

Bahar (pimenta síria)

 

MODO DE PREPARO

Recheio: em fogo alto refogar a carne e a cebola, até que a cebola fique transparente. Retirar do fogo  e acrescentar a manteiga e os condimentos, misturar bem até que a manteiga derreta completamente. Reserve e deixe esfriar completamente. Fazer pequenas bolinhas do tamanho de uma noz com o recheio já frio, reserve as bolinhas.

Parte externa: misturar bem a carne já processada com o pimentão, com o sal , pimenta e o trigo. Acrescente um pouco de agua para facilitar o manuseio da massa que irá se formar. Pegue uma porção que caiba na palma da mão e amasse, até deixar uma camada muito fina.

Nesta camada fina coloque uma das bolinhas do recheio e então feche, formando uma bola do tamanho de uma ameixa. É importante que a camada externa fique fina e o recheio de dentro esteja bem umido, para então termos uma casquinha croconte com um recheio mais “mole”. Você pode fazer formas ovaladas ou esferas. Deixe uma vasilha com água a mão para molhar as mãos, isto ajuda a fazer a esculpir a kafta, não gruda nas mãos.

kefte

Foto do curso Dibet

Termine de fazer todos as kaftas , unte uma forma com manteiga e leve ao forno médio por 20 minutos ou cozinhe em água com sal ferevendo por 5 minutos (é uma outra variação da receita). Eu gosto mais no forno. Sirva com um molho de iogurte, limão ,alho e hortelã.

E voilá, bon appétit!!

kef

 

 

 

culinária, Gastronomia, Receitas, receitas&memories

Chutney de Manga

O chutney é uma conserva condimentada, feita com frutas ou legumes, vinagre, açúcar e especiarias, que são cozidos levemente.

A manga é originária da India. Lá a fruta é símbolo do amor eterno. É chamada a alma da Primavera, as 5 pétalas das flores da manga significam as 5 flechas do deus indiano de Kamdev que acerta os corações dos amantes. Existem muitas estórias sobre a origem da fruta, vou contar a que mais gosto.

Conta-se que a primeira mangueira nasceu das cinzas de uma princesa que foi queimada por uma feiticeira. Suas cinzas foram espalhadas pela mata, elas voaram até se depositarem em um monte. O tempo passou e ,então neste monte , brotou uma árvore.
O imperador que tinha por hábito fazer longos passeios pela floresta encontrou a planta e encantou-se pela beleza de suas flores e de seus frutos que cresciam em profusão.
Uma das mangas, porém, era especial, parecia destoar de todos os outros frutos em tamanho, perfume, cor e beleza. O imperador então passou a contemplar a fruta todos os dias, esperando o dia em que estivesse pronta para ser colhida e saboreada.
Quando ela finalmente amadureceu e caiu no chão, o soberano correu para satisfazer seu desejo há tanto tempo acalentado, mas qual não foi a sua surpresa ao ver a linda princesa emergir de dentro da fruta totalmente liberta dos feitiços a que fora submetida. Assim que se olharam, ambos perderam-se de amores e nunca mais conseguiram se separar.

E nada como ter na ceia do Ano Novo, um potinho deste elixir de amor eterno né? Segue a receita. A próxima vez que fizer , troco as medidas por gramas (vou pesar tudo para ficar mais exato)

Ingredientes:

4 ou 5 mangas maduras (mais ou menos 700 gr da fruta bem picada)

1 maça bem picada (pedacinhos de no max 1 cm)

1 cebola bem picada (a brunoise)

1 xícara de açucar cristal

1/2 xicara de vinagre de maçã (pode ser menos se vc gosa menos acido)

2 a 4 dentes de alho (ai depende do gosto, eu coloco 4) cortados em brunoise

1 cm de gengibre bem picado

1 pimenta dedo de moça cortada a brunoise (retirar sementes), pode ser outra pimenta se não encontrar esta

1 pedaço de canela em pau de 10 cm

3 cravos da Índia

1 folha de louro

1 colher de sopa de cominho

1 colher de sopa de curry picante

1 colher de sopa de canela em pó

Cardamomo (coloco  7 ou 8 inteiros, depois retiro)

Suco de meio limão

 60 gr  de coco ralado (se for fresco melhor)

MODO DE PREPARO

Numa panela de fundo duplo colocar o açucar e fazer ponto de caramelo claro. Atenção: caramelo escuro deixa um fundo mais amargo. Colocar o vinagre, a maça , alho, gengibre, cebola, a pimenta picada (atenção para deixar tudo a mão , já preparado, senão o açucar vai queimar além do ponto). Mexa, o açucar que ficará duro assim que jogarmos o vinagre, o açucar vai dissolver  com a agua que saíra da cebola, maça, etc. Já coloque em fogo baixo

(A maça contém pectina que irá dar o ponto de “geléia”)

Coloque a manga já picada. Mexa até sentir que não há mais açucar caramelado (tudo isto em fogo baixo). Aí adicione a canela em pau, o cravo, o cominho, a canela em pó, o curry, cardamomo, folha de louro e o suco de limão. Mexa para misturar todas as especiarias, deixe em fogo baixo até começar a dissolver a manga, vai ficar com uma aparência de geléia com pedacinhos de frutas. Isto demora cerca de 30 a 40 minutos dependendo do fogão, mas fique de olho mexendo sempre para não grudar no fundo. Quando já estiver quase pronto, coloque o coco ralado e mexa até dar o ponto de geléia (secar boa parte do liquido que soltam os ingredientes). Normalmente eu não coloco água.

A receita rende uns 5 a 6 potes de 170 gr. Para minha casa coloco tudo em dois potes, um de 500 gr e  outro menor.

O chutney é algo muito particular, cada um tem sua receita, eu mesmo modifico vez por outra os ingredientes desta. Outro dia, coloquei também folhas de hortelã e ficou delicioso.

31196695142_6439c13941_o1

 

culinária, Gastronomia, Receitas, receitas&memories, Uncategorized

Variação n°2 para escondidinho

De origem controversa , alguns dizem que é de origem portuguesa outros de origem africana, mas é bom lembrar que mandioca, batata , mandioquinha tem sua origem nas Américas e somente depois do descobrimento é que foram introduzidas na Europa. Portanto, minha teoria (nada comprovado ) é que , como tudo no Brasil, o prato tenha sido criado por uma mescla de culturas.

Prato típico do nordeste, principalmente no estado de Pernambuco, originalmente feito com carne seca, mandioca, manteiga de garrafa. Aqui faço uma variação com outros ingredientes , afinal quem conta aumenta um ponto e quem gosta de cozinha sempre inventa uma maneira nova de fazer uma receita.

Ingredientes da Primeira Camada

Azeite (quantidade necessária para refogar a cebola e a linguiça)

Shoyo (quantidade necessária para dar gosto)

Açucar ( 1 colher de sobremesa)

Vinagre de tamaras (quantidade necessária)

3 cebolas grandes , cortadas em “julienne” (tiras finas)

8 linguiça calabresa fina (há pacotes com 4, uso 2 pacotes) cortadas em rodelas finas

Salsinha picadinha (1/2 xícara)

Pimenta do reino branca moida

Noz moscada

Modo de Preparo Primeira Camada

Numa frigideira coloque azeite e as linguiças, refogue ate começar a dourar coloque shoyo e continue mexendo , coloque a salsinha e tempere com pimenta e noz moscada até cozinhar. Não precisa de sal pois o shoyo já é salgado. Uma vez que estejam  bem fritas, reserve. Na mesma frigideira coloque mais azeite, coloque as cebolas e refogue, quando começarem a soltar liquido, colocar um pouco de shoyo, açucar e o vinagre, quando elas estiverem praticamente douradas colocar as linguiças  que estavam reservadas, mexa por 2 minutos e coloque no fundo de uma travessa de vidro retangular.

escondidinho

Ingredientes da Segunda Camada

1 kg de mandioquinha

noz moscada 

sal a gosto

Modo de Preparo

Cozinhar a mandioquinha até ficar no ponto para amassar para pure. Fazer o pure e temperar com sal e noz moscada (opcional : mateiga de garrafa). Colocar por cima da primeira camada que já esta na travessa. Levar ao forno para dar uma leve dourada.

Dica: cozinhe ao som de Billie Holiday, All of me